ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL ISQUÊMICO (AVC)

O que é um acidente vascular cerebral isquêmico?

     Acidente vascular cerebral (AVC) isquêmico nada mais é que a interrupção do fluxo sanguineo para determinada área do cérebro. Isso, geralmente, ocorre devido ao entupimento dos vasos secundário ao acúmulo de colesterol, o que forma as conhecidas "placas". Experts diariamente tentam nos convencer que tal alteração vascular tem vínculo direto com a quantidade e o tipo de colesterol que ingerimos em nossas refeições. Entretanto, estudos atuais com alto valor científico  têm demonstrado que a fisiopatologia de tal doença não se desenvolve exatamente desse modo. O comprometimento dos vasos tem sua origem relacionada com outras causas omitidas ou desconhecidas por quem nos orienta há anos. Mas é fato que a dieta desempenha importante papel na origem das doenças vasculares. Não devemos ignorar também os fatores genéticos que desempenham forte influência em desarranjos vasculares.

Clínica e Diagnóstico

      Os sintomas variam de acordo com a região cerebral afetada. Pode ser visto perda de força, redução visual, alteração da fala, entre outros. Geralmente, dor de cabeça não é uma característica do AVC isquêmico, mas sim do hemorrágico. O diagnóstico pode ser sugerido através da tomografia de crânio mas o melhor exame é a ressonância de encéfalo.

Observe a área escurecida e circulada de vermelho na tomografia de crânio.

Tratamento

     O tratamento inicial é medicamentoso e visa o controle de situações que podem agravar a lesão cerebral, tais como pressão arterial alta e diabetes descompensada. Após, pode-se fazer a avaliação da possibilidade de realizar trombolítico. Uma grande discussão atual envolve o momento mais adequada para iniciar-se a anticoagulação na vigência de fibrilação atrial. A tradicional e efetiva varfarina vem hoje encontrando concorrentes tão eficazes e de mais fácil manejo, o que tem feito com que tal fármaco tenha deparado-se com certa reticência de prescrição. Entre as novas drogas estão a rivaroxabana, a dabigatrana e a apixabana. Procedimento cirúrgico é reservado para os casos onde a isquemia é tão grande que gera compressão do tecido cerebral, sendo que a descompressão é mais comumente feita para infarto de artéria cerebral média e cerebelar. Caso ainda permaneça com dúvidas, marque sua consulta.

Rafael Oliveira - Médico Neurocirurgião e Cirurgia de Coluna

Porto Alegre - RS

Dr Rafael Oliveira
2019 - Todos os direitos reservados
  • Instagram - Black Circle
  • Facebook - Black Circle
  • Twitter - Black Circle

UA-77380970-1