• Rafael Oliveira

Sindrome Neuroléptica Maligna


Sindrome Neuroléptica Maligna

Segundo Brust, a Síndrome Neuroléptica Maligna consiste em uma reação idiossincrática a neurolépticos em doses terapêuticas e não tóxicas, potencialmente fatal, com mecanismo fisiopatológico não bem determinado. Acredita-se que possa haver certa relação com o bloqueio de receptores dopaminérgicos nos gânglios da base. O quadro clinico envolve hipertermia, geralmente associada a outra disfunção autonômica como taquicardia ou sudorese, sinais extrapiramidais como rigidez muscular ou distonia, aumento das enzimas musculares e alteração do estado mental. Todos os sintomas se manifestam dentro de 24 horas e atingem um pico em 72 horas. A recuperação se dá em uma ou até várias semanas e apesar do alto índice de óbitos (20 a 30%), após a resolução do quadro geralmente não ficam sequelas. A biópsia muscular pode revelar edema. O tratamento consiste na suspensão da droga e alguns pacientes podem permanecer por alguns meses com algum vestígio catatônico. A catatonia, por sua vez, envolve alterações motoras que variam desde imobilidade a movimentos rápidos e estranhos. Portanto, trata-se de algo facilmente reconhecido em um exame neurológico.

7 visualizações
Dr Rafael Oliveira
2020 - Todos os direitos reservados
  • YouTube - Black Circle
  • Instagram - Black Circle
  • Facebook - Black Circle
  • Twitter - Black Circle

UA-77380970-1